Mais de 10 mil crianças e adolescentes foram assassinados em um ano

Reprodução
Mais de 10 mil crianças e adolescentes foram assassinados em um ano

De acordo com um estudo da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), 10.520 crianças e adolescentes foram assassinados, no Brasil, apenas no ano de 2013. Meninos entre 10 e 19 anos são as principais vítimas. Além disso, segundo outra pesquisa, o Brasil tem os maiores índices de violência contra crianças e adolescentes no mundo – especialmente abusos físico, sexual e psicológico, e negligências emocional e física.

Para se ter uma ideia da gravidade da situação, 68% das crianças no país, o equivalente a 30.311.950 crianças com até 14 anos de idade, dizem sofrer punição corporal em casa.

A Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos afirma que, das ligações recebidas em 2016, 58% possuem ligação direta com violência infantil. A negligência corresponde a 37,6% das ligações, seguida de violência psicológica (23,4%), violência física (22,2%) e violência sexual (10,9%).

A violência é hoje também um problema grave para os jovens brasileiros (de 15 a 29 anos). Em 1980, 3.159 jovens nessa faixa etária morreram de forma violenta. Em 2014, o número foi de 25.255. Isso significa um crescimento de 699,5% na letalidade juvenil. As principais vítimas (de 91% a 96%) são homens e a maioria é negra. A violência contra negros em geral, aliás, cresceu 46,9% entre 1980 e 2014. Enquanto isso, a violência contra brancos caiu 26,1%.

Para chamar a atenção para a gravidade do problema da violência contra crianças e adolescentes no Brasil, diversas organizações da sociedade civil elaboraram uma carta para órgãos vinculados ao governo federal, na qual reúnem uma série de dados (alguns deles citados nesta matéria) e pedem que o governo faça parte da “Parceria Global pelo Fim da Violência contra Crianças e Adolescentes”, liderada pela Organização das Nações Unidas (ONU).